domingo, 19 de Outubro de 2008

Mitos Falsos: A carne de porco é mais gorda do que as outras?

A carne de porco não é forçosamente mais gorda do que as outras carnes. Depende da parte ou peça de que se trate.

Um estudo recente do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos revela que, devido à evolução genética e das técnicas de criação, actualmente, alguns cortes de carne de porco têm níveis de gordura semelhantes aos de algumas carnes a que, habitualmente, chamamos magras, como o frango, o que não acontecia há 15 anos atrás.

De acordo com Tabela da Composição de Alimentos do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, os cortes de porco mais magros são o lombo (4,7 g de gordura por 100 g), que ganha ao lombo de vitela (7,6 g de gordura por 100 g); e a perna magra (7,5 g de gordura por 100 g), que fica à frente da perna de frango, se nos esquecermos de lhe tirar a pele (13 g de gordura por 100 g).

Por outro lado, se avaliarmos a carne suína do ponto de vista do colesterol, verificamos que o lombo de porco é mais saudável do que o seu congénere de vaca e vitela e, até, do que o frango sem pele (58 g de colesterol por 100 g, face aos 61 g de colesterol do lombo de vaca, os 91 g do lombo de vitela, os 70 g do peito de frango e os 100 g da perna de frango).

Em termos calóricos, o lombo de porco fornece 131 kcal por cada 100 g, o que não o envergonha frente às 114 kcal do lombo de vaca, às 124 kcal da perna de borrego e às 111 kcal da perna de frango sem pele, levando vantagem até em relação às 148 kcal do lombo de vitela.

Para além disso, o porco tem proteínas, vitaminas do grupo B, fósforo e zinco, nutrientes que não podemos dispensar, e contém menos menos sódio do que a carne de vaca, sendo um bom aliado para quem sofre de hipertensão.

Para os seguidores do porco, outra boa notícia: a gordura do porco fica concentrada na superfície da pele, sendo fácil de isolar. No caso da vaca, ela está mais entremeada nas fibras da carne. A nutricionista Magda Roma alerta, contudo, que a carne mais gorda de todas é de origem suína: o leitão.

Artigo publicado em Sapo Saúde. Texto de Fernanda Soares, revisão científica da Dra. Magda Roma (nutricionista). Responsabilidade editorial e científica da revista Prevenir.

1 comentário:

Anónimo disse...

Muito bom seu informativo, obrigada pelo trabalho e disponibilidade de tempo para tal.